terça-feira, dezembro 27, 2005

Natal em Penamacor

"Alegre-se o céu e a terra
Cantemos com alegria
Que já nasceu o Menino
Filho da Virgem Maria

Ó meu Menino Jesus
Ó meu menino tão belo
Logo vieste nascer
Na noite do caramelo

Entrai pastores, entrai
Por esse portal sagrado
Vinde adorar o menino
Que está nas palhas deitado"


Ao redor do Madeiro - grande amontoado de troncos colocados nos adros das Igrejas e ao qual é ateado o fogo na noite da consoada - era costume juntarem-se os que saíam da Missa do Galo e os que não íam e cantar o tema cuja letra reproduzi acima.

O Madeiro mantém-se, ainda que tenham mudado a tradição (sem razão aparente) de o pôr a arder de 23 para 24 de Dezembro. Mas as poucas pessoas que ainda passam por lá não ficam muito tempo e já não se ouve cantar o Menino Jesus...

Nota: Esta imagem é do Madeiro de Aranhas (Concelho de Penamacor)

2 comentários:

Pinguim disse...

Fantástico... Fizeste-me lembrar os Natais que passei na aldeia da minha mãe. Também havia o tal madeiro (já não me lembro se também utilizava esse nome, eu baptizei-o de cêpo de Natal) só que era mesmo em frente à casa da minha avó, uma vez que a aldeia, embora pequena, era muito extensa, e optou-se por fazer dois madeiros, um no adro da igreja no cimo do monte, outro cá mais abaixo para que os mais idosos não tivessem que subir o monte nas gélidas noites de inverno que tu e eu tão bem conhecemos.
Lembro-me de nós, os mais pequenitos, nos juntar-mos e ver as prendas que o Menino Jesus nos tinha trazido (sim, porque na minha infância não havia Pai Natal, era o Menino Jesus que trazia as prendas, coisa que sempre me fez muita confusão mas isso agora interessa...) e os adultos, partilhavam as sobras da ceia de Natal, bebiam bagaço (para ajudar a aquecer), conversavam, riam e cantavam.
Não sei se para os teus lados também é assim, mas na aldeia da minha mãe, os Madeiros iam da Consoada até ao primeiro dia do Ano novo...
Bem... Obrigado por este regresso ao passado!

Jorge Portugal disse...

Também na minha infância não era o Pai Natal, mas sim o Menino Jesus quem dava as prendas. Coisa que também eu não percebia lá muito bem... Pois se ele era ainda mais novo que eu, como é que arranjava dinheiro para as prendas? Acho que foi por isso que cedo percebi que eram as pessoas que compravam as prendas e ofereciam umas às outras... Por isso, e porque os meus pais tinham uma loja onde iam pessoas comprar prendas para oferecer a outras... e nunca lá vi o Menino Jesus a comprar nada...