segunda-feira, setembro 12, 2005

O Almoço

Foi um almoço leve (mas com o peso do mundo).
Foi um almoço breve (e que soube a eternidade).
Quero lembrar-me de tudo e não consigo! A memória... (ah, a memória...)
Tu comeste uma sopa e um sumo. Eu, uma salada e gelatina... ou foi ao contrário?
Só me lembro do teu sorriso e do teu perfume.
Falámos de quê...?
Chegámos a falar?
O sorriso. Sim, do teu sorriso lembro-me bem. E do perfume, também não esqueci o teu perfume.
Queria perguntar-te tanta coisa. Não me lembro se o fiz... não me lembro se deixaste... não me lembro se fui capaz...
Mas do sorriso lembro-me bem. E do perfume. Do perfume também.
No final, se calhar ficámos a saber o mesmo um do outro. Se calhar porque foi um almoço leve. Se calhar porque foi um almoço breve.
Mas agora conheço o teu sorriso.
E o teu perfume.

3 comentários:

Rostos disse...

Delicioso. Realmente quando se escreve com o coração, a escrita ganha outra dimensão. Abraço.

Cabisbaixo disse...

O que conheces agora já é muito. Um sorriso, um perfume. Às vez é o suficiente. Mas deve ter sido, tal a reacção que em ti provocou...

Abraço

Sandra disse...

Sabes amigo,um sorriso, uma expressão ou simples olhar,mudam vidas...tu mereces esse sorriso!